Assassinaram nossa companheira covardemente. Tentaram matar também a sua memória e o que ela simboliza. Mas Marielle vive em cada uma de nós, em cada ação de resistência.

Veja reportagem do Estadão.