Ontem (10/07) ocorreu a primeira das duas votações sobre a reforma da previdência na Câmara dos Deputados. Essa reforma, que os muito ricos e os bancos têm se empenhado para impor sobre a população, prejudica aos trabalhadores e a maioria do povo, pois aumenta o tempo de contribuição para a aposentadoria, a idade mínima, desmonta mecanismos de solidariedade, entre outros problemas que já abordamos em vídeos e no artigo postados aqui nos comentários. Os deputados da região de Campinas se prestaram ao vergonhoso papel de trabalhar contra o povo, atuando como agentes da retirada de direitos sociais. Na prática, se a reforma da previdência for aprovada, grande parte da população brasileira não conseguirá se aposentar.

Para entender o placar da votação na Câmara — 379 a favor da Reforma e 131 deputados contrários — é preciso olhar para a movimentação que o governo Bolsonaro fez nos últimos dias para conseguir votos para sua reforma antipovo: só no mês de julho, o governo liberou R$ 2,55 bilhões em emendas parlamentares, de acordo com levantamento da ONG Contas Abertas. Essa movimentação, inclusive, foi alvo de ação movida pelo PSOL no STF.

A reforma ainda precisa passar por mais uma votação na Câmara e duas no Senado, é hora de seguir pressionando e fazer com que os deputados sintam o peso de votar contra a aposentadoria e pela retirada de direitos sociais.