Ontem em entrevista ao Jornal Valor Econômico, o ministro da educação Ricardo Veléz Rodrigues disse que as universidades públicas não deve ser para todos, sendo reservadas apenas a uma elite intelectual. É lamentável que a direção do setor educacional esteja nas mãos de quem trabalha para reforçar o apartheid social e racial da educação brasileira. Principalmente em um contexto em que, às duras penas e depois de muita luta, várias universidades públicas brasileira deram passos importante no sentido de implementação das cotas raciais e étnicas. É necessário repudiar essa fala e o que ela significa enquanto diretriz política para as universidade. Não vamos aceitar que cortem da nossa juventude a possibilidade do desenvolvimento intelectual e humano!