Ontem, o Ministério Público do Trabalho realizou um debate, juntamente com o Ministério do Trabalho e com Assistência à Saúde de Pacientes com Epilepsia (ASPE), sobre a importância da inclusão de pacientes com epilepsia no mercado de trabalho.

Foi muito discutida a inclusão dos pacientes com epilepsia nas empresas e segundo a presidente da ASPE, Isilda Assumpção, um dos grandes problemas é que os pacientes com epilepsia omitem a doença, justamente para não perderem a vaga de emprego.

No entanto, para evitar abusos de algumas empresas, segunda a procuradora Luana Duarte, existem penalidades que impedem que os empregadores discriminem pessoas por sua condição física, o que está previsto na Súmula número 443, do Tribunal Superior do Trabalho.

veja reportagem do correio.