Ditadura nunca mais!

Hoje, 31 de março, se completam 55 anos do golpe Civil-Militar de 1964. Ecos desse evento terrível até hoje assombram a vida do país. Dezenas de milhares de brasileiros foram torturados pelo aparato repressivo do Estado, centenas foram assassinados, órgãos de imprensa e instituições de ensino sofreram com a censura. As arbitrariedades foram inúmeras, desde o sequestro de crianças, passando pela organização e prática corriqueira da tortura, estupro e execuções, tudo isso arquitetado e levado a cabo pelo Estado Brasileiro. Os familiares de desaparecidos sequer puderam velar seus entes vitimados pela ditadura, já que os agentes da repressão sistematicamente desapareceram com os corpos, carbonizando-os, enterrando-os em valas clandestinas entre outros expedientes criminosos.

Entre 1964 e 1985 instituições democráticas foram cerceadas ou sumariamente fechadas, e o povo foi completamente excluído das decisões sobre os rumos do país. Àqueles que pleiteavam melhores salários, o direito de escolher seus representantes ou questionavam alguma decisão do governo, a ditadura respondia com mais brutalidade e repressão.

A luta e resistência da sociedade brasileira derrubou os traidores da pátria do governo em 1985, porém o Brasil ainda não acertou as contas com essa página infeliz de sua história. Membros da alta casta política e econômica do país patrocinaram o golpe e lucraram com o autoritarismo; oficiais das forças armadas que engendraram um sistema para a violação sistemática de direitos dos brasileiros não foram responsabilizados; e muitos dos crimes do regime militar sequer vieram à tona. É nesse contexto, de feridas não cicatrizadas, que Jair Bolsonaro e sua trupe de sádicos resolveu zombar das vítimas da ditadura e avançar em seu projeto de falsificar a história do país.

Hoje, 34 anos após a queda da ditadura, os saudosistas querem celebrar o golpe militar! É inaceitável que o presidente da república preste reverências a esse regime que perpetrou crimes contra a humanidade!

Neste 31 de março faço um apelo para que fiquemos vigilantes, querem falsificar a nossa história para justificar o injustificável. Precisamos defender a nossa memória, para que as pessoas jamais se esqueçam do que o golpe de 31 de março representa. A memória é o mecanismo mais seguro que podemos cultivar enquanto sociedade para evitar que o arbítrio volte a parecer atraente aos olhos dos desinformados. A sociedade brasileira precisa avançar na luta por verdade e justiça, para que todo o país conheça os horrores da ditadura Civil-Militar que o golpe de 1964 inaugurou.
#DitaduraNuncaMais