Hoje é o dia Nacional da Liberdade, instituído pela Lei Ordinária 13117/2015.

Em tempos de censura da liberdade de expressão e de imprensa, essa data recorda a Luta de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes, que não poupou esforços em defender a Liberdade e a Justiça.

Nesse momento sombrio da história, recordamos o encarceramento arbitrário de Rafael Braga, preso em 2013, com produtos de limpeza e que foram caracterizados de maneira abusiva e controversa como artefatos explosivos. Ele foi condenado a 5 anos de prisão. Isso revela uma justiça seletiva e que criminaliza a população negra no país.

Em Campinas, através de um projeto de nossa autoria, instituiu-se o Dia de Luta contra o encarceramento da Juventude Negra. No Brasil, de acordo com o Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias (Infopen), em 2016, a população carcerária era de 726 mil presos, dos quais 40% sem condenação e 64% são negros. Realidade que revela as desigualdades históricas no país, de criminalização das populações pobres e negras, restringido-as da  dignidade e do acesso e da igualdade de Direitos.

Rafael Braga é o exemplo de que as forças autoritárias não permitem a livre manifestação, a luta por direitos, o combate à corrupção, e, sobretudo, o resgate da dignidade histórica da população que viveu sob os grilhões da escravidão no Brasil.

No entanto, deixa-nos o legado da Resistência em relação aos poderes opressores, que atentam contra nossa existência.

Pela liberdade, com nosso suor, sangue, lágrimas e vida.

Nenhum Direito a Menos.