Diante do reajuste de 3,26% parcelado até 2020 – isto mesmo, parcelado até 2020 – proposto pelo prefeito Jonas Donizette aos servidores é necessário refletir e discutir as prioridades orçamentárias deste governo que tenta fragmentar as reivindicações dos servidores e da população (que são as de defesa do serviço público) com a justificativa discursiva da crise.

Por isso, enquanto o prefeito Jonas Donizette responsabilizava a greve dos servidores pela desassistência nos serviços públicos, trabalhamos sistematicamente na denuncia das opções orçamentárias do governo: renúncia fiscal aos grandes devedores do município, a falta de transparência na concessão de benefícios fiscais (como o aprovado no afogadilho de uma sessão extraordinária convocada com 12 horas de antecedência na última terça feira) e a farra na contratação de comissionados na prefeitura.

Parabenizo os servidores públicos da cidade pela coragem diante das ameaças de corte de ponto, pelo bom combate na defesa da melhoria das suas condições de vida e na defesa dos serviços públicos que são de interesse de toda a população e por garantirem na prática o exercício democrático do direito de greve.