Mais uma Organização Social (OS) é investigada por corrupção na região de Campinas, dessa vez em Sumaré. Assim como a Vitale Saúde que deixou rombo na cidade de Campinas, a OS em questão faz gestão de equipamentos de saúde (a UPA Macarenko e o PA do Matão). O resultado foi o “colapso”, muito semelhante à crise do Hospital Ouro Verde de Campinas: falta de pagamento dos funcionários, desabastecimento de insumos e equipamentos. Histórias semelhantes da falência do modelo de terceirização. Histórias que se repetem em várias cidades e Estados do Brasil.

Por isso apresentei em Campinas um projeto que proíbe a terceirização da saúde. É preciso expandir essa luta para outras cidades!

veja a reportagem completa no Correio.