Uma das justificativas do governo Temer para realização da Reforma é o suposto déficit na Previdência Social. Para sustentar seu discurso, alguns dados foram distorcidos para apresentá-la como deficitária. De acordo com a Associação Nacional dos Auditores Fiscais da Receita Federal (ANFIP), em 2015, por exemplo, a Seguridade Social teve um superávit de R$ 11,1 bilhões e não prejuízo como se afirmou o governo.

A CPI da Previdência Social realizada em 2017 revela que “dados e argumentos utilizados pelo governo trazem falhas graves” e segundo dados da ONU, “a evasão de divisas e a sonegação fiscal de empresas do Brasil, aproximam-se de 27% do total que deveria ser pago em impostos”. Isso equivaleria a cerca de R$ 500 bilhões, saldo suficiente para cobrir qualquer demanda da área pública.