Muito triste, ontem perdemos Yuka. Suas músicas afiadas, sensíveis às dores do mundo, cheio de empatia e crítica, instigaram minha juventude. Me lembro da primeira vez que assisti o clipe “A minha alma”. Que gosto amargo. Ao mesmo tempo um exercício de empatia tão necessário. Vá em paz, poeta!