A reportagem apresenta dados da pesquisa realizada pelo grupo Parent in Science, que entrevistou 1.154 docentes, das quais 75% possuem filhos e destas, 54% são as únicas cuidadoras dos filhos.

A falta de investimentos, a política de estabelecimento de tetos e cortes nas áreas sociais que atingem a ciência e tecnologia (educação) associados a uma cultura machista onde a mulher é a responsável pela criação e educação dos filhos e que vê a gravidez como empecilho, torna as condições de trabalho piores, prejudica a carreira das pesquisadoras e significa grande perda para a produção científica brasileira. Se queremos uma sociedade efetivamente democrática, é preciso que múltiplas perspectivas estejam contempladas nos múltiplos espaços e aqui destacamos os espaços de produção do conhecimento. Por mais mulheres na ciência e na tecnologia!

link da reportagem no correio.