Raquel Trindade, também conhecida como Kambinda, tornou-se ancestral. A filha de Solano Trindade nos deixou aos 81 anos na madrugada deste domingo (15/04).

Durante sua trajetória enquanto artista e militante Raquel fundou o Teatro Popular Solano Trindade e a Nação Kambinda de Maracatu, além da enorme contribuição a luta antirracista no Brasil.

Kambinda era como a maioria das mulheres brasileiras: preta, nordestina e migrante. Sofreu na pele as agruras do racismo estrutural brasileiro, mas também deu continuidade a luta iniciada por Solano Trindade em Recife.

Em tempos de recrudescimento do machismo, racismo e LGBTfobia no nosso país, a morte de Raquel Trindade trás a nós do PSOL uma profunda tristeza. Mas também a compreensão de que seguimos na luta e na construção de uma sociedade sem racismo, machismo, LGBTfobia e realmente igualitária.

Continuaremos os passos de Kambinda, como continuamos os passos e Marielle!

Raquel Trindade, PRESENTE!

Mulheres do PSOL e Setorial de Negritude do PSOL.