A modelo Barbara Querino, jovem negra apesar de apresentar provas sobre sua inocência, foi condenada, na última sexta-feira (10), pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, a cinco anos de prisão, acusada de assalto. Vale observar que Bárbara foi indiciada indiretamente, provou que não estava nos locais dos fatos com fotografias e testemunhas e ainda assim, diante de frágeis provas teve prisão decretada no curso do processo.

Conheça toda a história deste caso absurdo e repetido de racismo institucional, seletividade penal e violência genocida contra a população negra. Compartilho abaixo alguns links e a página criada para apoiar Barbara: “Todos por Babiy Querino”.

veja na revista MarieClaire e na redebrasil.