Os pequenos produtores são responsáveis pela maior parte dos alimentos produzidos no Brasil. Essa feira organizada pelo Movimento Sem Terra mostra os frutos da reforma agrária: trabalho e geração de renda, produção de alimentos a preço justo e sustentabilidade ambiental.

Atingindo seu recorde de público, a 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária trouxe para a cidade de São Paulo uma diversidade de alimentos saudáveis produzidos por trabalhadoras e trabalhadores do MST em 23 estados do país e no Distrito Federal. 

Ao todo, foram 420 toneladas de produtos comercializados, a preço justo, por 1215 feirantes assentados e acampados. O evento realizado no Parque da Água Branca coloca em evidência a cultura popular, e o diálogo com a sociedade sobre a necessidade de outro modelo de alimentação, a partir da produção camponesa de alimentos saudáveis.

Segundo Bárbara Loureiro, da coordenação do setor de Produção, em seus quatros dias de duração (3 a 6 de maio), a feira recebeu 260 mil visitantes – 90 mil a mais do que em sua segunda edição – de todas as idades. Além de adquirir produtos da Reforma Agrária e de experimentar comidas típicas das cinco regiões do país, eles puderam acompanhar gratuitamente uma vasta programação cultural, com a participação de 367 artistas, que envolveu em shows no Palco Arena nomes nacionalmente consagrados e amigos do MST, como Ilê Aiyê, Otto, Martinho da Vila, Siba, Tião Carvalho, Ana Cañas e a Escola de Samba Paraíso do Tuiuti. 

07

Continue lendo a reportagem do mst.