Hoje, apresentaremos 18 emendas no orçamento do município, que atendam as demandas da população. Algumas delas referem-se as políticas para as mulheres de Campinas. Buscamos investimentos que contemplem o treinamento especializado dos profissionais de assistência que atendam mulheres em situação de violência; que ampliem a publicidade de materiais que combatam a violência de gênero e orientação sexual, o racismo e a intolerância religiosa. Além disso, fizemos uma proposta de ampliação de vagas na casa abrigo Sara-M, que acolhe mulheres em situação de violência doméstica. Sabemos o quão importante são estas medidas para que avancemos na proteção as mulheres que sofrem quotidianamente situações de violência. Esta é uma luta de todas as mulheres de Campinas!

Dentre as emendas ao orçamento que apresentaremos na próxima semana, estão os investimentos em iluminação pública em alguns bairros da cidade, como o Jardim Capivari, Comunidade Menino Chorão, Barão Geraldo e Vila União. Achamos que o investimento em iluminação pública é um dever do município e fundamental para a garantia de segurança pública para a população, sobretudo, para as mulheres, que sofrem diariamente com os casos de violência.

O asfaltamento das vias públicas é fundamental para a circulação da população pelos bairros. Por isso, apresentaremos algumas emendas visando a pavimentação dos bairros Chácaras Cruzeiro do Sul, Jardim Capivari, Jardim Itaguaçu e Comunidade Menino Chorão.

A situação da saúde no município está calamitosa. Falta de profissionais, medicamentos e precariedade da infraestrutura dos centros de saúde e hospitais na cidade. A população de Campinas é a maior penalizada com tal descaso. Por isso, apresentaremos uma emenda no orçamento que sugere a contratação urgente de profissionais de saúde, para aliviar a demanda da população. Além disso, tentaremos viabilizar recursos para a reforma do Centro de Saúde de Barão Geraldo “Attilio Vicentin”. Saúde é direito!

Os parques urbanos são de extrema importância em uma cidade, a presença da vegetação e não impermeabilização do solo ajuda a diminuir o calor, a deixar o ar mais úmido, reduzir a poluição não só do ar, como também da água e do solo. Com infraestrutura adequada, os parques também podem ser locais de lazer, esportes e outras atividades físicas, além de possibilitar a conscientização ambiental. Organizações internacionais como a English Nature e a Agência do Ambiente da União Europeia recomendam que as pessoas não devem viver a uma distância maior que 300 m de um espaço verde natural de pelo menos 20 mil m² (o tamanho de 2 campos de futebol). 

A região sul de Campinas possui poucos e pequenos parques. A região do bairro Santa Lúcia, por onde passam o córrego Santa Lúcia e o rio Capivari, é uma das regiões mais carentes de parques da cidade. Pensando nisso, a vereadora Mariana Conti propôs uma emenda orçamentária para a construção de um parque linear na região: o Parque Santa Lúcia. Esse tipo de parque acompanha o trajeto de rios e córregos e pode ligar áreas verdes, proteger e recuperar o ecossistema, controlar enchentes, abrigar práticas de lazer, esporte e cultura, além de propiciar o uso de bicicletas e outros tipos de transporte não motorizados.