Por Mariana Conti.

Campinas segue apresentando números alarmantes de violência contra a mulher. A matéria do G1 no link trata especificamente dos números da violência sexual: A cidade registra 1 estupro a cada 36 horas(!), ainda por cima há a estimativa de que este número corresponda entre 10 e 30 % do total, já que o crime de estupro é subnotificado. É urgente fortalecer os instrumentos de combate a essa realidade terrível que atinge as mulheres! O aumento de 141% no número de inquéritos em poucos meses, desde que a 2ª Delegacia de Defesa da Mulher(DDM) passou a funcionar 24 horas, mostra o quanto os serviços especializados são necessários. É evidente que a violência sexual não ocorre apenas em horário comercial, e, sem o funcionamento 24 hs da DDM, muitos desses casos ficariam sem registro, já que, sabendo do despreparo das delegacias comuns para lidar com crimes sexuais, as vítimas muitas vezes não se sente seguras para procurá-las.

O dados publicados retomam ainda outro aspecto alarmante dos crimes sexuais: A grande maioria deles ocorre em ambiente doméstico, correspondendo a 65% do total de casos registrados em Campinas desde 2009. Iniciativas como a Vara Especializada de Combate a Violência Doméstica, que completou 1 ano a pouco, ações de ONGs como o SOS Mulher e Família, órgãos públicos como CEAMO e casas abrigo são fundamentais para romper o ciclo da violência, orientar e acolher as vítimas, embora saibamos que para atender a demanda do município precisaríamos de mais serviços especializados, além de um apoio maior aos que já existem.

É necessário que sociedade e poder público fortaleçam as redes de solidariedade , para assim enfrentar com firmeza a violência de gênero e sexual na cidade de Campinas. Precisamos de profissionais da saúde e segurança preparados para lidar com a violência sexual, bem como melhorar a iluminação pública, campanhas de educação e combate a cultura do estupro. Temos, por parte do governo estadual, a previsão do início de funcionamento 24 horas de mais uma DDM em 2020, fiquemos de olho para que esse prazo seja cumprido.

Listamos abaixo os serviços de atendimento a mulheres vítimas de violência na cidade de Campinas, ajudem a divulgá-los para que eles cheguem a quem precisa.

Sigamos juntas, sempre, mexeu com uma, mexeu com todas!

Ceamo- Centro de referência e apoio a Mulher.

Inaugurado em 2002, o Centro de de Apoio à Mulher Operosa – CEAMO – é uma conquista das mulheres e tornou – se realidade por meio da Lei 10.948. É um serviço de proteção social especial de média complexidade. O CEAMO conta com uma equipe de profissionais para acolher, atender e prestar apoio jurídico, social e psicológico à mulher em situação de violência doméstica, realizando atendimento individual, familiar ou em grupo. A equipe também realiza oficina nos bairros da cidade, trabalhando a divulgação do serviço e a prevenção à violência contra a mulher. O CEAMO é um espaço de acolhimento e troca de vivências, de conhecimento e informação sobre os direitos da mulher e resgate de sua cidadania.
Telefone CEAMO: 55 (19) 3236-3619

Endereço CEAMO: Av. Francisco Glicerio, 1269 – Centro (0,46 km)
13012-100 Campinas

Sos mulher e Família :
Telefone: (19) 3234-2272
Site: https://www.sosmulherefamilia.org.br/

Endereço: SOS Ação Mulher e Família- Rua Dr. Quirino 1856 1° andar Centro-
13015-082 Campinas SP

2ªDelegacia de Defesa da Mulher de Campinas (Funcionamento 24hs) Endereço: R. Ferdinando Panattoni, 590 – Jardim Pauliceia, Campinas – SP, 13060-090 (19) 3227 0080

Disk denúncia 180– A Central de Atendimento à Mulher – Ligue 180 é um serviço ofertado pela SPM com o objetivo de receber denúncias ou relatos de violência, reclamações sobre os serviços da rede e de orientar as mulheres sobre seus direitos e sobre a legislação vigente, encaminhando-as para os serviços quando necessário.

Matérias: Funcionando 24 horas, 2ª DDM de Campinas registra aumento de 141% no nº de inquéritos abertos: https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2019/07/03/funcionando-24-horas-2a-ddm-de-campinas-registra-aumento-de-141percent-no-no-de-inqueritos-abertos.ghtml

Polícia de Campinas registra um estupro a cada 36h, e especialista afirma que dado é subnotificado- https://g1.globo.com/sp/campinas-regiao/noticia/2019/07/07/policia-de-campinas-registra-um-estupro-a-cada-36h-e-especialista-afirma-que-dado-e-subnotificado.ghtml