A prefeita de Sumaré, Cristina Carrara (PSDB) teve as contas rejeitadas pela Câmara após uma sequencia de rejeições do TCE apontando diversas irregularidades e agora fica inelegível.

Dentre as irregularidades estão o calote em R$22,3 milhões para o Regime Próprio de Previdência dos servidores e R$16,2 milhões ao INSS.

Assim como o prefeito Jonas Donizette usa o argumento da crise para dar calote nos serviços públicos e nos direitos sociais da população. Em Campinas também votei contra a aprovação das contas do prefeito que com diversas irregularidades, apontadas nos relatórios do TCE, segue blindado por sua base de apoio na Câmara Municipal de Campinas.

Continue lendo no liberal.