O SUS Campinas está morrendo. A revolta da população campineira é legítima, mas hoje ela está direcionada para o alvo errado. Os servidores também sofrem com o desmonte e tem pouquíssimo poder de decidir sobre os rumos da gestão. A destruição do sistema de saúde é consequência direta da privatização, projeto deliberado do prefeito Jonas Donizete com o aval da maioria dos vereadores da câmara. Queria ver o prefeito e secretários atenderem o público no PA e explicarem para uma mãe que seu filho não vai ser internado por falta de vaga. Ou os vereadores, que não medem elogios a gestão, explicarem em um centro de saúde que exame de urina é só em caso de emergência. Quem decide não vive as consequências da sua decisão.

veja reportagem no G1.