Por Mariana Conti

Hoje, 14 de julho de 2019, nossa cidade faz 245 anos. Não vivemos o momento mais fácil da nossa história municipal, admitir isso é importante para que possamos caminhar rumo a uma cidade melhor, mais solidária, que amplie os direitos do povo e combata as desigualdades.

Em que pesem as dificuldades e problemas da cidade, que pontuamos diariamente na tribuna, ruas e redes, há muito o que olhar com carinho e nos orgulhar em Campinas. Afinal, a luta pelo SUS já fez com que os serviços públicos de saúde, que hoje estão sob grave ataque, fossem de excelência por anos; também muito nos orgulha construir ombro a ombro a luta cotidiana das mulheres campineiras por igualdade de direitos e contra a violência; nos dá energia acompanhar a organização da juventude em favor da educação e transporte públicos para todos. Campinas é referência nacional no movimento de combate a LGBTfobia, com uma das maiores paradas LGBTs do Brasil.

Apesar dos seguidos cortes orçamentários, nosso município segue sendo um polo científico, cuja produção de conhecimento é essencial para o país. Campinas marcou a história do país com suas indústrias e lutas operárias. Em nossa cidade a luta de séculos da negritude pelo fim do racismo em suas diversas manifestações segue nos abastecendo de esperança por dias melhores. Vemos florescer nesta cidade importantes movimentos movimentos de cultura e ambientalistas, entre tantas outras iniciativas transformadoras.

Vivemos um período conturbado em todo o mundo, no qual discursos e práticas muito complicados, de ódio e individualismo exacerbado, tem ganhado espaço. Esse sentimento retrógrado também atua nossa cidade. Desejamos que esta data, 14 de julho, que marca o aniversário de 245 anos de Campinas, sirva para refletirmos sobre o que separa a cidade que temos hoje daquela que queremos alcançar. Sigamos nas lutas e parabéns para Campinas e os campineiros!