PSOL CAMPINAS APOIA PRÉ-CANDIDATURA DE MARIANA CONTI

Em plenária realizada neste sábado, 26/03, o diretório municipal do PSOL Campinas, diante da militância presente no encontro, aprovou uma resolução em defesa da pré-candidatura própria do partido para o governo de São Paulo e em apoio ao nome de Mariana Conti para realizar essa tarefa.

27 Mar 2022, 11:36 Tempo de leitura: 4 minutos, 18 segundos
PSOL CAMPINAS APOIA PRÉ-CANDIDATURA DE MARIANA CONTI

Em plenária realizada neste sábado, 26/03, o diretório municipal do PSOL Campinas, diante da militância presente no encontro, aprovou uma resolução em defesa da pré-candidatura própria do partido para o governo de São Paulo e em apoio ao nome de Mariana Conti para realizar essa tarefa.

A decisão tomada foi um importante passo para que o PSOL – SP se apresente nessa eleições com cara própria, com um programa que atende às reais necessidades do povo paulista e sem aliança com a direita para derrotar o bolsonarismo e o tucanato.

Leia a resolução na íntegra:

Resolução Política do PSOL Campinas
Para derrotar a extrema-direita e o tucanistão, PSOL de cara própria com Mariana Conti, pré-candidata ao governo do estado de São Paulo.


As crises econômica, política, social, ambiental e sanitária esmagam de forma
avassaladora nossa classe. A manutenção da crise e seus efeitos sobre mulheres e
homens trabalhadores é realizada através de inúmeras medidas e “reformas” pelas elites
econômicas e políticas do país que tiveram em Bolsonaro seu expoente maior nos últimos
anos e nos tucanos no estado de São Paulo. Diante da maior crise de nossos tempos, em
que setores burgueses e aliados se organizam para seguir violentando trabalhadores,
postular o PSOL ao governo do estado de São Paulo com um programa antineoliberal,
ecossocialista, feminista e antirracista é fundamental como perspectiva de superação real e radical da crise em nosso estado.


Em São Paulo, estado que concentra boa parte da riqueza do país, os mais de 25 anos de
governos neoliberais do PSDB tiveram como marca a subordinação do orçamento público
aos interesses do empresariado, o desmonte da educação pública e que avança à passos
largos com a implementação da Reforma do Ensino Médio, genocídio da população negra
promovido pela violência policial, a privatização do setor de infraestrutura público, ataques
aos servidores públicos, reversão agroexportadora, ataques às reservas ambientais e expansão do latifúndio do agronegócio, insegurança alimentar e piora geral nas condições de vida da classe trabalhadora.

O tucanato de Geraldo Alckmin e mais recentemente de Dória, foi responsável pelo despejo violento das famílias da ocupação de Pinheirinho em São José dos Campos em 2012.

Em 2013, lado a lado com Fernando Haddad, reprimiu as mobilizações de juventude
e popular contra o aumento da tarifa. Em 2015 sofreu sua maior derrota imposta pelos
estudantes secundaristas ao tentar fechar salas de aula por todo estado.


As articulações políticas em nível federal e estadual apontam a presença de Alckmin, agora
no PSB, como candidato a vice-presidente. Em São Paulo o vice de Haddad ainda segue
em aberto, porém o cenário mais provável é seguir o padrão da chapa nacional, entregando
a cadeira de vice também para o PSB de Márcio França e Jonas Donizetti, sendo ambos
parte fundamental da aplicação do projeto tucano em SP.

Nesse cenário, caberá exclusivamente à candidatura do PSOL a denúncia do método PSDB de governar. Nós cumpriremos nas eleições para o governo estadual o papel de encantar e
trazer esperança para toda uma geração que se enfrentou com os tucanos no governo.
Defenderemos um programa de combate e reversão das privatizações do patrimônio
paulista; da reversão do domínio do agronegócio ecocida e da necessidade de avançar na
reforma agrária como forma de gerar trabalho, renda e comida; da prioridade absoluta do
investimento na escola pública, no SUS e nos direitos sociais, valorizando os seus
trabalhadores e, combatendo os grandes negócios corruptos gestados em torno das
privatizações que sequestram o patrimônio público em prol dos conglomerados privados; o
combate à truculência das forças de repressão racista contra os pobres e movimentos
sociais; a absoluta prioridade do Estado no combate à violência doméstica contra mulheres e crianças; o enfrentamento aos preconceitos de todas as naturezas, seja em termos da diversidade sexual e identidade de gênero que torna o público LGBTQIA+ vulnerável às mais diversas violências, contra o capacitismo que exclui e penaliza pessoas com deficiência, entre outros.

Para isso, reafirmamos que nas eleições de 2022 em São Paulo o Partido Socialismo e Liberdade deve seguir com sua candidatura ao governo do estado, assim como foi decidido pelos mais de 10.000 filiados e militantes do partido que participaram do VII Congresso Estadual do PSOL.

Para cumprir essa tarefa, o PSOL Campinas apoia a pré-candidatura de Mariana Conti ao governo do estado. Mulher, jovem, feminista e socialista, inicia sua militância aos 17 anos e desde 2005 é um quadro partidário que se dedica à construção do PSOL. Mariana é servidora pública e atualmente exerce seu segundo mandato como vereadora em Campinas-SP, pleito para o qual foi eleita como a mais votada da cidade, local nunca antes ocupado por uma mulher. Pelo seu histórico militante e dedicação à construção coletiva e partidária, Mariana tem condições de representar nosso partido e programa.