Feira Nacional da Reforma Agrária atrai 260 mil pessoas em São Paulo

Os pequenos produtores são responsáveis pela maior parte dos alimentos produzidos no Brasil. Essa feira organizada pelo Movimento Sem Terra mostra os frutos da reforma agrária: trabalho e geração de renda, produção de alimentos a preço justo e sustentabilidade ambiental. Atingindo seu recorde de público, a 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária trouxe para a […]

7 May 2018, 00:17 Tempo de leitura: 1 minuto, 20 segundos
Feira Nacional da Reforma Agrária atrai 260 mil pessoas em São Paulo

Os pequenos produtores são responsáveis pela maior parte dos alimentos produzidos no Brasil. Essa feira organizada pelo Movimento Sem Terra mostra os frutos da reforma agrária: trabalho e geração de renda, produção de alimentos a preço justo e sustentabilidade ambiental.

Atingindo seu recorde de público, a 3ª Feira Nacional da Reforma Agrária trouxe para a cidade de São Paulo uma diversidade de alimentos saudáveis produzidos por trabalhadoras e trabalhadores do MST em 23 estados do país e no Distrito Federal. 

Ao todo, foram 420 toneladas de produtos comercializados, a preço justo, por 1215 feirantes assentados e acampados. O evento realizado no Parque da Água Branca coloca em evidência a cultura popular, e o diálogo com a sociedade sobre a necessidade de outro modelo de alimentação, a partir da produção camponesa de alimentos saudáveis.

Segundo Bárbara Loureiro, da coordenação do setor de Produção, em seus quatros dias de duração (3 a 6 de maio), a feira recebeu 260 mil visitantes – 90 mil a mais do que em sua segunda edição – de todas as idades. Além de adquirir produtos da Reforma Agrária e de experimentar comidas típicas das cinco regiões do país, eles puderam acompanhar gratuitamente uma vasta programação cultural, com a participação de 367 artistas, que envolveu em shows no Palco Arena nomes nacionalmente consagrados e amigos do MST, como Ilê Aiyê, Otto, Martinho da Vila, Siba, Tião Carvalho, Ana Cañas e a Escola de Samba Paraíso do Tuiuti. 

07

Continue lendo a reportagem do mst.